• ASG

A modernização da Banda Larga Rural


Com a pandemia do COVID-19 ficou claro que a necessidade de estender o acesso à internet à áreas carentes, não é apenas uma questão de crescimento do mercado. A população precisa cada vez mais de internet com alta velocidade para poder ter acesso a serviços essenciais como saúde, educação e emprego, a implementação do acesso à internet se tornou-se essencial para garantir que as pessoas em todos os lugares possam ter acesso ao uso das tecnologias mais essenciais. Para isso, órgãos governamentais nos EUA e no exterior lançaram inúmeras iniciativas para subsidiar e acelerar a construção da banda larga rural com o Fundo de Oportunidade Digital Rural (RDOF) e com o Programa de Conectividade Acessível (ACP), ambos com bilhões de dólares de investimento. Programas como esses podem ajudar a aliviar as preocupações sobre o ROI para investimentos em infraestrutura de acesso à internet baseada em fios, sem fio e satélite — mas eles podem não ser suficientes para garantir a sustentabilidade a longo prazo dos serviços de banda larga rural.

Os provedores de serviços de internet que buscam desenvolver o mercado de banda larga rural enfrentam desafios consideráveis, desde a economia da baixa densidade de clientes até o desafios do acesso regional. Para recuperar os investimentos em internet de fibra óptica, sem fio fixo, fibra para casa (FTTH) e outras infraestruturas, essas empresas precisam garantir que seus custos de implantação, operações e manutenção não superem sua receita potencial.

Crowdsourcing abre caminho para a adoção da internet de fibra óptica

Antes de entrar no mercado de serviços de banda larga suburbana e rural, a C Spire normalmente se concentrava em fornecer serviços de internet de alta velocidade para hospitais, escolas, empresas e grandes indústrias, onde uma única conexão de internet de fibra óptica pode capturar receitas significativas. O alto custo da infraestrutura de fibra para casa, combinado com a taxa de assinatura mais modesta para uma família individual, remodelou essas economias.

Com o objetivo de garantir demanda suficiente de assinantes para justificar o custo de sua implantação de internet de fibra óptica em um determinado bairro ou comunidade, a C Spire desenvolveu um modelo inovador de crowdsourcing. Em vez da abordagem tradicional de construir infraestrutura, esperando que clientes suficientes se inscrevessem para pagá-la, a empresa fez a oferta antes de sua construção começar. Dessa forma, a C Spire poderia estar confiante de que a demanda de proprietários e locatários seria suficiente para construir um negócio lucrativo.

Fomento da Colaboração da Indústria através do Consórcio de Banda Larga Rural

O propósito de acabar com a divisão digital é ainda mais desafiador pelo modelo de negócio go-it-alone típico da indústria. Com essa abordagem, um único provedor de serviços de internet projeta, constrói, opera e mantém a rede. Embora a operadora também receba toda a receita resultante de acesso à internet, a rentabilidade do investimento muitas vezes é afetada por sua ineficiência. Na realidade, dadas as múltiplas tecnologias que podem estar envolvidas na conectividade de banda larga rural, seria raro para um único provedor regional de serviços de internet obter conhecimentos e recursos específicos em todos os aspectos.

Criado pela C Spire como um projeto de pesquisa de dois anos, o Consórcio de Banda Larga Rural reuniu empresas como Nokia, Nokia, Facebook e outras, para explorar novos modelos cooperativos para implantação de banda larga rural econômica. Em vez de manter os fornecedores de equipamentos e serviços de internet presos dentro de tecnologias específicas de fio, sem fio fixo e satélite, o consórcio desenvolveu um "modelo de habilitação de terceiros", no qual várias partes colaboram para fornecer o serviço. Com essa abordagem, os operadores podem se juntar a parceiros como proprietários de empresas locais ou associações de proprietários; provedores de infraestrutura, como governos regionais, empresas de serviços públicos ou cooperativas; e provedores emergentes ou estabelecidos de serviços de internet com recursos e ferramentas necessários para tornar a banda larga rural mais econômica para todos os envolvidos.

Mais estratégias para fechar a divisão digital

Em uma análise separada, a STL Partners também encontrou várias estratégias para construir um negócio de banda larga rural rentável, incluindo a criação de serviços de valor agregado, a modernização da rede principal com tecnologias econômicas e o investimento em infraestrutura de segurança para mitigar riscos como ataques de ransomware e Negação distribuída de Serviço (DDoS). O relatório da STL, “Como os ISPs Regionais estão fazendo a ponte digital através da inovação" também cita o valor da parceria no fechamento da divisão digital, incluindo trabalhar com parceiros para garantir a disponibilidade de tecnologia e habilidades de segurança para provedores menores de serviços de internet, bem como alcançar economias de escala através de um consórcio do setor.

A indústria está desenvolvendo inovação e novos modelos de negócios à medida que se esforça para suprir a demanda urgente de acesso à banda larga e à tecnologia.

No Brasil, o cenário está com a mesma urgência, e há um mercado promissor para se explorar. Caso queira saber mais sobre divisão digital nós podemos realizar uma apresentação e até mesmo uma demonstração da solução. Para isto basta realizar contato através do e-mail contato@asg.com.br, via telefone (51) 3533-8417, Whatsapp: (51) 99340-7861, ou então em nosso site. Acompanhe a nossa página no Instagram e fique por dentro das novidades.


4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo